Trabalhos Aprovados

Esclerose sistêmica nefrogênica em paciente dialítico: um relato de caso



Autor(es): Kurmann AC; Wagner AG; Piovesan F;
Apresentador(a): Ana Claudia Kurmann

INTRODUÇÃO: Esclerose Sistêmica Nefrogênica (ESN) é uma desordem fibrótica sistêmica e grave, geralmente progressiva, debilitante e potencialmente fatal, que ocorre exclusivamente em pacientes com disfunção renal prévia. É caracterizada por espessamento e endurecimento da pele que recobre as extremidades e tronco e fibrose de músculo esquelético, articulações, fígado pulmão e/ou coração. Embora a causa da ESN ainda seja desconhecida, tem sido sugerida sua relação com os contrastes à base de Gadolínio, havendo um risco de aproximadamente 4,2% para cada exposição. OBJETIVOS: O presente relato visa descrever o caso de esclerose sistêmica nefrogênica em paciente com Insuficiência Renal Crônica (IRC) em hemodiálise com histórico de exposição à contraste à base de Gadolínio, bem como sua evolução e conduta. RELATO DO CASO: Paciente masculino, 45 anos, doente renal crônico secundário à gromerulonefrite pós-estreptococóccia há 12 anos, em hemodiálise há 8 anos, inicia com queixas de dor intensa em regiões de infiltração da derme há 4 meses. O quadro é acompanhado de ageusia, esclerodactilia, perda da mobilidade de pernas e pés, disfagia para sólidos e líquidos, disfonia e perda ponderal de 18kg, com necessidade de alimentação via sonda nasogástrica. Além disso, o paciente tem histórico de meningeoma há 12 anos – com intensa exposição à contraste contendo Gadolínio durante a investigação diagnóstica com subsequentes ressonâncias magnéticas de crânio -, cirrose por vírus B e amiloidose. Após ampla investigação, o paciente foi diagnosticado com ESN, presumivelmente secundária à exposição prévia à contraste contendo Gadolínio. Iniciou-se esquema terapêutico multimodal, envolvendo terapia medicamentosa e fisioterapia. O paciente seguiu com a terapia de substituição renal e acompanhamento com a equipe da nefrologia, sem apresentar maiores complicações. Atualmente, necessita de cadeira de rodas para a locomoção, devido à rigidez dos membros inferiores. CONCLUSÃO: Apesar de ainda existirem importantes lacunas a serem preenchidas sobre a ESN, sabe-se que são quadros de rápida evolução e alta mortalidade. Assim, ratifica-se a importância do acompanhamento de doentes renais crônicos em hemodiálise, sempre considerando a ESN uma possível comorbidade em desenvolvimento. Além disso, visto que a maioria dos casos relatados estão associados à exposição ao Gadolínio, evitá-lo em pacientes com insuficiência renal avançada é a principal medida preventiva.


Palavras-chave: Esclerose sistêmica nefrogênica; Insuficiência renal crônica; Gadolíneo

[voltar]

Fique atento
às datas principais


12

AGOSTO

2020

Terceiro vencimento para inscrições com desconto! Aproveite!

20

AGOSTO

2020

Restam11 dias para que você envie seu resumo!

Trabalhos Científicos

Veja aqui os trabalhos
aprovados.

SAIBA MAIS

Programação Científica

Consulte a programação completa das palestras e cursos disponíveis.

SAIBA MAIS