Trabalhos Aprovados

Denosumabe na osteoporose associada à síndrome de imunodeficiência adquirida.



Autor(es): BARROS SM; Pereira FF;
Apresentador(a): SOLANGE MURTA BARROS

A longevidade conquistada pelas pessoas vivendo com infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), nas últimas décadas, desvia o foco do manejo de infecções oportunistas para o controle dos efeitos colaterais da terapêutica a longo prazo e para prevenção, diagnóstico e tratamento de comorbidades crônico-degenerativas associadas ao envelhecimento, incluindo a osteoporose. O estudo de caso relatado trata de idoso com síndrome de imunodeficiência humana (SIDA) e em terapia antirretroviral combinada (TARVc), há cinco anos, que desenvolve fenótipo frágil assim como definição de condição de alto risco para fratura osteoporótica. Após avaliação osteometabólica, devido a insuficiência renal crônica, seleciona-se o denosumabe, suplementação de cálcio e vitamina D como alternativa terapêutica para o paciente osteoporótico, embora ainda não existam estudos controlados ou protocolo estabelecido para indicação desse anticorpo monoclonal no tratamento de osteoporose associada a HIV e TARVc. A abordagem se estende ao incentivo para adoção de medidas não farmacológicas de suporte a saúde, analgesia para dor musculoesquelética de caráter misto, degenerativo e neuropático, e observa-se em dois anos melhora significativa, tanto clínica como densitométrica, esta última com ganho percentual de 67% em relação a massa óssea inicial. Em um caso no mundo real, destaca-se que o uso de anticorpo monoclonal específico para osteoporose, o denosumabe, mostrou ser útil no tratamento de idoso portador de insuficiência renal, vivendo com HIV e que se mantém em uso de terapia antirretroviral combinada. Discutindo-se os pormenores do caso em relação aos dados da literatura sobre fisiopatogênese da osteoporose em pacientes com SIDA, infere-se que é provável que o denosumabe equilibre a perda de massa óssea com bloqueio da atividade do ligante do RANK que é estimulado pelas citocinas liberadas durante o processo de reconstituição imune produzido pela TARVc. A falta de confirmação definitiva para essa hipótese e as demais lacunas no conhecimento atual tornam promissor a área de estudos que engloba as interações do sistema imune e fisiopatologia da perda de massa óssea, a alteração evolutiva de biomarcadores osteometabólicos, a validação de ferramentas de predição de fraturas e, ainda, acerca do arsenal terapêutico utilizável para prevenção e tratamento da osteoporose de forma segura e efetiva para pessoas que vivem com HIV.

Palavras-chave: Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; Osteoporose; Terapêutica

[voltar]

Fique atento
às datas principais


12

AGOSTO

2020

Terceiro vencimento para inscrições com desconto! Aproveite!

20

AGOSTO

2020

Restam12 dias para que você envie seu resumo!

Trabalhos Científicos

Veja aqui os trabalhos
aprovados.

SAIBA MAIS

Programação Científica

Consulte a programação completa das palestras e cursos disponíveis.

SAIBA MAIS