Trabalhos Aprovados

Atingir remissão/baixa atividade de doença na espondilite anquilosante melhora desfechos funcionais



Autor(es): Kohem C; Kerber JM; de Mello JD; Palominos PE; Menegat FA; Gasparin AA; Brenol CV;
Apresentador(a): Charles Lubianca Kohem

Introdução: Espondilite anquilosante (EA) causa dor lombar e dano estrutural que podem resultar em dano funcional1. A função é geralmente avaliada por meio de ensaios clínicos randomizados conduzidos em países desenvolvidos, com os pacientes recebendo terapia biológica2,3.

Objetivos: Avaliar a variação no Bath Ankylosing Functional Index (BASFI) ao longo do tempo em uma coorte de EA acompanhada no Brasil. Comparar a melhora no BASFI entre pacientes que atingiram ou não remissão (REM)/baixa atividade da doença (LDA) sustentada (⩾12 meses) no ASDAS-PCR. Analizar preditores para atingir a melhora clínica minimamente significativa (MCII) no BASFI (ΔBASFI ≤ -0.6)4.

Métodos: Esta análise transversal foi conduzida em uma coorte retrospectiva. Pacientes adultos que preencheram os critérios de New York para EA e seguidos por ao menos 5 anos no Ambulatório de Espondiloartropatias foram incluídos. A variação do BASFI (ΔBASFI) foi descrita como mediana (25th/75th). Comparação do ΔBASFI entre pacientes que preencheram ou não REM/LDA sustentada no ASDAS-PCR foi realizada usando o teste de Mann-Whitney. O modelo hierárquico Poisson foi utilizado para identificar preditores para atingir a MCII no BASFI.

Resultados: 69 pacientes foram analizados, 53,6% eram homens, a idade média era 48.9±11.4 anos, a média de seguimento foi de 6.1±0.5 anos e a mediana (25th/75th) da duração da doença foi de 10 (5-18) anos; 14,5% dos pacientes estavam em terapia com biológicos ao início do trabalho. A mediana (25th/75th) do ΔBASFI foi baixa: -0.1 (-1.9 /+1.1), mas 46.4% (N=32) apresentaram a MCII no BASFI durante o seguimento. Pacientes que atingiram REM/LDA sustentada no ASDAS-PCR tiveram uma melhora significativa no BASFI durante o tempo comparado aos que não atingiram este alvo (p=0.026). Pacientes com altos escores de BASFI no início do trabalho tiveram uma maior probabilidade de atingir uma MCII no BASFI (RR 1.82 95% IC 1.14-2.91, p=0.012).

Conclusão: Paciente que atingiram REM/LDA sustentada no ASDAS-PCR apresentaram melhores desfechos de função comparado àqueles que não atingiram esse alvo. Escores de BASFI altos no início do trabalho e REM/LDA sustentada no ASDAS-PCR foram preditores de uma MCII no BASFI.


Palavras-chave: espondilite anquilosante; atividade de doença; incapacidade funcional

[voltar]

Fique atento
às datas principais


12

AGOSTO

2020

Terceiro vencimento para inscrições com desconto! Aproveite!

20

AGOSTO

2020

Restam12 dias para que você envie seu resumo!

Trabalhos Científicos

Veja aqui os trabalhos
aprovados.

SAIBA MAIS

Programação Científica

Consulte a programação completa das palestras e cursos disponíveis.

SAIBA MAIS