Trabalhos Aprovados

Apresentação clínica de arterite temporal: a propósito de um caso



Autor(es): Corrêa LO; Corazza ALL; Schramm PF; Friedrich LS;
Apresentador(a): Luísa de Oliveira Corrêa

Arterite temporal (AT) é a vasculite sistêmica autoimune mais comum em idosos. Início insidioso, explica demora no diagnóstico. Cefaléia intensa, tumefação temporal, claudicação mandibular e déficit visual são principais sinais e sintomas. Pode haver disacusia, necrose lingual e odinofagia. Perda da visão por neuropatia óptica isquêmica anterior infartos cerebrais e aneurisma da aorta são complicações mais temidas. Diagnóstico é clínico e laboratorial, com confirmação histopatológica, tratamento é corticoterapia a longo prazo. Doença multissistêmica, de diagnóstico frequentemente tardio, crescente morbimortalidade, população mais idosa afetada e relativa agressividade terapêutica, demonstra-se necessidade desse relato. Paciente feminina, 84 anos, hipertensa e com fibrilação atrial em tratamento, apresentou rigidez de cinturas escapular e pélvica, acentuada pela manhã, 6 meses antes do diagnóstico. Fez uso de corticoide, com indicação médica, em baixas doses, não melhorando sintomas. 4 meses do início dos sintomas, evoluiu para cefaleia temporal, carotidínea, claudicação de mandíbula, febre baixa vespertina diária idiopática. Pela falta de tratamento efetivo, evoluiu para amaurose do olho direito (OD) e lesão ulcerada à direita da língua de bordas limpas. Chegou ao nosso serviço após 6 meses do início do quadro e foi diagnosticada com AT, tendo confirmação pela biópsia da artéria temporal e exclusão de neoplasias pela biópsia da língua. Realizamos pulsoterapia 3 dias e após recebeu corticoide 1mg/kg e metotrexato. Não houve reversão da amaurose do OD, mas controle dos outros sintomas. Após 2 meses com recidiva da polimialgia reumática e aumento das provas inflamatórias, foi solicitado Tocilizumabe, porém, prévio ao uso do anti IL-6,ela apresentou infecção pulmonar e faleceu por complicações 4 meses do diagnóstico. AT é uma vasculite de etiologia desconhecida, sabe-se que é uma reação dependente de células-T ativada por antígeno que lesam a túnica íntima e prejudicam a elasticidade dos vasos, sugerindo que a elastina se torna antigênica desencadeando reação inflamatória. Artérias intracranianas são poupadas por não possuírem tecido elástico. AT é superior em caucasianos, provável relação com distribuição do antígeno HLA-DR4 entre raças. Prognóstico bom e remissão dos sintomas com tratamento correto e diagnóstico precoce. Dessa forma, é importante conhecer início dos sintomas, diagnóstico e tratamento para melhores desfechos que o do caso apresentado.

[voltar]

Fique atento
às datas principais


12

AGOSTO

2020

Terceiro vencimento para inscrições com desconto! Aproveite!

20

AGOSTO

2020

Restam12 dias para que você envie seu resumo!

Trabalhos Científicos

Veja aqui os trabalhos
aprovados.

SAIBA MAIS

Programação Científica

Consulte a programação completa das palestras e cursos disponíveis.

SAIBA MAIS