Trabalhos Aprovados

Adesão de pacientes com espondilite anquilosante na realização de exercícios domiciliares telemonitorados



Autor(es): Sadoyama BM; Teixeira MP; Lima VCG; Rodrigues VMG; Santos AP; Passos AE; Mazziero AC; Lara BM; Moreira ECH; Silva DW; Cardoso JR; Facci LM;
Apresentador(a): Beatriz Miki Sadoyama

INTRODUÇÃO: A Espondilite Anquilosante (EA), doença reumática inflamatória e crônica, pode levar à rigidez e anquilose da coluna vertebral. A falta de adesão ao tratamento pode complicar o quadro, considerando o distanciamento social imposto pela pandemia do COVID-19, o Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO) permitiu modalidades de telemonitoramento. Independente da terapêutica, estratégias estimulantes são necessárias para garantir a adesão. OBJETIVOS: Investigar a adesão na realização de exercícios domiciliares por telemonitoramento em pacientes com EA. METODOLOGIA: Pacientes com o diagnóstico de EA foram convidados a participar do estudo. Após a inclusão e ao final de cada um dos três meses de acompanhamento, os pacientes foram avaliados via telefone investigando a adesão aos exercícios, assim como as suas barreiras e motivações. Todos receberam exercícios por vídeos, sendo orientados a os executar em horário e local de preferência, frequência inicial mínima semanal de duas vezes e progredindo se possível. Mensalmente novos programas de exercícios foram enviados, havendo semanalmente incentivos e adaptações individuais. RESULTADOS: Três mulheres e três homens, com idade de 18 a 69 anos e tempo de diagnóstico de EA de 4 a 30 anos, foram incluídos. Todos os pacientes executaram os exercícios pelo período de três meses, totalizando 14 semanas. Entre a primeira e a quarta avaliações, a frequência média de execução de exercícios diária aumentou de 34,2 a 42,0 minutos, de 3,7 para 4,3 vezes por semana e o tempo total de dedicação semanal de 152,5 para 178,7 minutos. Dois pacientes reduziram a dedicação entre a 3ª. e a 4ª. avaliações por dor em tornozelo, no entanto três outros adicionaram a caminhada a rotina de exercícios semanais. As principais motivações relatadas para a execução dos exercícios foram a expectativa de melhora e a prevenção de piora. Quanto as barreiras, três pacientes mencionaram a dor, apenas um referiu falta de tempo e um paciente negou barreiras. Para três pacientes a pandemia influenciou negativamente no seu quadro, especialmente pelo estresse causado. Outros três avaliaram negativamente a necessidade de realizar exercícios sem supervisão ao início do acompanhamento, porém ao longo do tempo ficaram satisfeitos com a incorporação do novo hábito. CONCLUSÃO: Houve adesão aos exercícios via telemonitoramento, com aumento da dedicação durante o acompanhamento, gerando incorporação de novo hábito de autocuidado.

Palavras-chave: espondiloartropatias; reabilitação; terapia por exercícios

[voltar]

Fique atento
às datas principais


17

SETEMBRO

2020

Quinto e último vencimento para inscrições com desconto! Após este período, os valores serão os mesmos do local do evento.

Trabalhos Científicos

Veja aqui os trabalhos
aprovados.

SAIBA MAIS

Programação Científica

Consulte a programação completa das palestras e cursos disponíveis.

SAIBA MAIS